9 de out de 2010

Nobel da Paz


                                                       

Preso no ano passado por subversão, Xiaobo foi laureado por sua luta pacífica pela democracia no país. Ex-professor de literatura, o dissidente de 54 anos foi condenado a uma pena de prisão de 11 anos por ter escrito, em 2008, em conjunto com outros ativistas chineses, um manifesto pela liberdade de expressão e pela realização de eleições multipartidárias.
"Ao longo dos últimos 30 anos, a China fez notáveis progressos em reformas econômicas e na melhoria da vida de seu povo, retirando centenas de milhões da pobreza”. "Mas este prêmio nos lembra que a reforma política não seguiu a mesma velocidade e que os direitos humanos básicos de cada homem, mulher e criança têm de ser respeitados.
A Anistia Internacional, além de vários outros organismos de defesa dos direitos humanos espalhados pelo mundo, engrossaram o coro e pediram que o dissidente seja libertado.
"Este prêmio só pode fazer uma diferença real se resultar em mais pressão internacional sobre a China para liberar Liu, assim como diversos outros prisioneiros de consciência apodrecendo nas cadeias chinesas por exercer seu direito de liberdade de expressão.

5 de out de 2010

Lenda Japonesa




Era uma vez um grande samurai que vivia perto de Tóquio. Mesmo idoso, se dedicava a ensinar a arte Zen aos jovens. Apesar de sua idade, corria a lenda de que ainda era capaz de derrotar qualquer adversário.  Certa tarde, um guerreiro conhecido por sua total falta de escrúpulos apareceu por ali.  Queria derrotar o samurai e aumentar sua fama. O velho aceitou o desafio e o jovem começou a insulta-lo.  Chutou algumas pedras em sua direção, cuspiu em seu rosto, gritou insultos, ofendeu seus ancestrais.  Durante horas fez tudo para provoca-lo, mas o velho permaneceu impassível.  No final do dia, sentindo-se ja exausto e humilhado, o guerreiro retirou-se.  E os alunos, surpresos, perguntaram ao mestre como ele pudera suportar tanta indignidade.
- Se alguém chega ate você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente?  
- A quem tentou entregá-lo, respondeu um dos discípulos.
- O mesmo vale para a inveja, a raiva e os insultos. Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem o carregava consigo.  A sua paz interior depende exclusivamente de você. As pessoas não podem lhe tirar a calma. Só se você permitir...

28 de set de 2010

Anjo Surdo





                                      Sou o anjo surdo




Conta-se que uma mulher vivia sozinha e muito se lamentava de solidão e nenhuma companhia. Ninguém jamais aparecia em sua casa.
Certa manhã chovia muito, e alguém bateu à sua porta: era um pequeno homem, tremendo de frio, molhado da cabeça aos pés. Vendo o visitante tão inesperado, imediatamente mandou que ele entrasse.
Ali, com as vestes pingando, ele ouviu a mulher que por mais de uma hora lamentou sua solidão e falta de companhia. Ela não lhe ofereceu roupas secas ou algo quente para se aquecer, tão envolvida que estava em suas próprias queixas.
Ele não tirava os olhos dos seus lábios em movimento ansioso, contínuo e disparado.
Cessada a chuva, ele fez menção de sair da casa, no que a mulher se inquietou:
"Espere! Nem sei seu nome! Você voltará? "
Ao que o homem reagiu, estendendo-lhe um papel totalmente seco, onde se lia:
Sou o Anjo Surdo. Só posso ouvir corações. Trago o remédio que cura a solidão, fazendo nascer amizades. Seu efeito não se manifesta naqueles que só falam de si e pensam apenas em si próprios.
Isto dito, desapareceu ... e nunca mais alguém bateu naquela porta.

26 de set de 2010

ABORTO, CRIME ABOMINÁVEL!

 

Preocupada, uma mulher procurou o seu ginecologista.
- "Doutor, eu estou com um problema muito sério e preciso da sua ajuda desesperadamente! O meu bebé não tem um ano e eu estou grávida novamente. Eu não quero outro filho."
Então o médico disse:
- "Em que exactamente você quer que eu a ajude?"
- "Eu quero fazer um aborto!"
Depois de pensar por alguns instantes, o médico falou:
- "Olhe, eu tive uma ideia que me parece melhor e também é muito menos arriscada."
A mulher sorriu satisfeita.
Então o médico continuou:
- "Veja bem, para que você não tenha que tomar conta de dois bebés, vamos matar esse que está nos seus braços. Assim, a senhora poderá descansar até que o outro nasça. Já que vamos matar um dos seus filhos, não importa qual deles. Dizem que os filhos são todos iguais para as mães. Não é verdade? E, além do mais, sua vida não correrá risco com procedimentos cirúrgicos, se você escolher esse aí para matarmos."
A mulher ficou horrorizada com as palavras do médico e disse-lhe:- "Que monstruosidade é essa que o doutor me está a propor! Matar uma criança é um crime!"
O médico respondeu-lhe:
- "Eu concordo. Mas eu pensei que isso não fosse um problema para a senhora. Eu só estou a sugerir que você troque o filho que será morto."
Pelo semblante da mulher, o médico viu que tinha conseguido esclarecer o seu ponto de vista.
E ele convenceu-a que não há diferença entre matar uma criança que está nos braços ou uma que está no ventre....
...O CRIME É O MESMO!

O Anúncio de Bilac




                                                                                 
(A função do poeta)

O dono de um pequeno comércio, amigo do grande poeta Olavo Bilac, abordou-o certa vez na rua:
- Sr. Bilac, estou a precisar vender a minha propriedade, que o Senhor tão bem conhece. Poderia, por gentileza, redigir o anúncio para a venda no jornal?
Olavo Bilac apanhou o papel que o amigo lhe estendia e escreveu:

VENDE-SE ENCANTADORA PROPRIEDADE
"Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo. Cortada por cristalinas e marejantes água de um ribeiro. A casa, banhada pelo sol nascente, oferece a sombra tranqüila das tardes, na varanda".
“Meses depois, o poeta reencontrou o comerciante e perguntou-lhe se havia conseguido vender a propriedade”.
- Nem pense mais nisso Sr. Bilac! Quando li o anúncio que o senhor escreveu é que percebi a maravilha que tinha nas mãos.